Agenda de concertos (carregar no evento para mais informação)

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Vicissitudes do "directo"... e da falta de trabalho de casa.





Segunda feira passada, no programa "Prós e Contras", da RTP:

Miguel Araújo: (…) Não me posso queixar, porque a minha música passa muito na rádio (risos). Mas é um facto que ouve-se muito mais música estrangeira em Portugal do que portuguesa.

Fátima Campos Ferreira: E é por isso que também gosta de cantar em inglês? É porque passa melhor em inglês?

M. A.: Não, eu canto em português.

F. C. F.: Mas também canta em inglês, não canta?

M. A.: Não. (risos)

F. C. F.: Não?

M. A.: É o que eu digo: eu canto o que escrevo e o que eu escrevo é em português. Não canto músicas de outros. É mais ao contrário. Faço é músicas para outros cantarem: o António (Zambujo), a Ana Moura... (...)


Infelizmente, e apesar de se ter reunido um bom grupo de músicos e produtores, perdeu-se mais uma oportunidade de se falar de Música Portuguesa com consequência. Ficaram de fora os investigadores (que os há, cada vez mais), as instituições, outros tipos de música e o público. E ficou a faltar, principalmente, alguém que soubesse um mínimo daquilo que se estava a falar, para poder conduzir um debate sério e construtivo. Que alguém na RTP perceba que "nem todo o pau faz uma boa colher".



2 comentários:

Maria Marques disse...

É por esta e por outras que quase não vejo TV. Quando jornalistas e comentadores, de alta cotação, conduzem/comentam assuntos sem saberem o que estão a falar além de demonstrarem impreparação e incompetência, descredibilizam qualquer informação que passam. Ainda há bem pouco tempo chamei a atenção da SIC pelas incorreções dadas por um dos pivot principais. Enviaram-me uma carta muito simpática a agradecer a disponibilidade mas não corrigiram a informação que foi dada e olha que me dei ao trabalho de enviar os Decreto-Lei sobre o assunto em questão para tirarem qualquer dúvida. Resultado: Nunca mais vi esse programa já que não me garantem a fidelidade da informação que passam.

muguele disse...

Pois é, não vale muito a pena mandar protestos para as empresas em questão. Eles ligam mais ao que é "viral" nas redes sociais do que a quem se dirige a eles com bons modos. No dia em que os ecos da incompetência fizerem as audiências cair a pique, aí pode ser que alguém faça alguma coisa.
Beijocas, Janeca. :)